Trio aplica golpe e vende unidades do Minha Casa, Minha Vida

O sonho da casa própria foi utilizado por trio de estelionatários de São Bernardo para aplicar golpe em pelo menos 107 pessoas do Grande ABC. As vítimas desembolsaram valores entre R$ 5.000 e R$ 20 mil por supostos apartamentos do programa federal Minha Casa, Minha Vida, localizados no Jardim Silvina. Os imóveis, porém, pertencem a projeto habitacional da Prefeitura de São Bernardo destinado a famílias carentes da cidade.

As vítimas destacam que não assinaram nenhum documento, apenas confiaram na palavra dos golpistas. O caso está sendo investigado pelo delegado titular do 5º DP (Pauliceia) de São Bernardo, Américo dos Santos Neto.

A princípio, a Polícia Civil concentra esforços para ouvir os relatos das vítimas e obter mais informações sobre os três investigados: a dona de casa Daniela Marques Simões de Souza, 39, que executava papel de intermediária entre as famílias, e a dona de casa Eliene de Souza Magalhães, 45, e o marido, o pedreiro Antônio Carlos Pereira, 39, tidos como cabeças do grupo.

O crime de estelionato prevê pena de reclusão que pode variar de um a cinco anos, além de multa. No entanto, a ideia de Pereira, que informou ter urgência para a instauração do inquérito policial, é associar a prática criminosa a outra infração – associação criminosa –, como forma de agravar a punição dos suspeitos. Neste caso, as penas variam conforme a função de cada pessoa. “Já pesquisamos e nenhum deles tem antecedentes criminais”, diz.