GCM é acusada de agredir pai de Sergio Magri na Marechal, nesta quinta-feira; veja o vídeo

Sérgio Santo Magri Júnior, de 21 anos, morreu na madrugada do dia 25 de junho deste ano após ter o carro atingido por uma picape da prefeitura de São Bernardo do Campo.

O acidente ocorreu por volta das 2h da manhã, no cruzamento entre a Rua Marechal Deodoro e a Doutor Fláquer. O caso ganhou repercussão nacional.

Após 12 dias de sua morte, o carro de Sérgio levou uma multa, conforme mostrou o jornal SPTV, da TV Globo. “O departamento que matou meu filho foi o mesmo que fez a multa”, disse o pai do jovem em entrevista. “A forma que eles acharam de me dar as condolências foi multando meu filho”.

O carro recebeu uma multa grave por estar parado sem cartão em uma vaga de um estacionamento rotativo, em frente a delegacia. A Prefeitura não soube explicar quem conduziu o veículo até lá. O pai de Sérgio achava que o carro ia ser periciado.

Nesta quinta-feira, dia 5 de setembro, na mesma Rua Marechal Deodoro, a poucas quadras do local onde seu filho morreu, o Sr. Sergio Magri viu-se envolvido em uma confusão com agentes de trânsito e da guarda municipal.

Testemunhas contam que o Sr. Sergio teria deixado ultrapassar o tempo de 10 minutos de tolerância para pagamento do estacionamento e, ao perceber que seria multado, teria iniciado uma discussão com um dos agentes que acionou a GCM, aumentando o clima de tensão no local.

O vídeo abaixo, publicado originalmente na página “Boca do Povo” e replicado em grupos no Facebook, foi gravado no momento da chegada dos guardas municipais.

Membros da família Magri usaram as redes sociais para responsabilizar a Prefeitura pela conduta da GCM.

Internautas também estão divididos em seus comentários. Uma parte acusa os guardas de despreparo e excesso de autoridade. Outra parte defende a postura dos oficiais, alegando que o Sr. Sergio teria provocado a situação.

A Prefeitura emitiu uma nota a respeito. Leia abaixo.

“A Prefeitura de São Bernardo do Campo, por meio do Rotativo São Bernardo, informa que o condutor do veículo Celta placa DPL 1588 utilizou uma das vagas do sistema de estacionamento rotativo do município, na Rua Marechal Deodoro, altura do 2025,  às 15h45. No momento em que estacionou havia um agente do Rotativo no local, que orientou o condutor quanto ao prazo de 10 minutos de tolerância para colocar o cartão do sistema no veículo.

O agente retornou ao local às 16h01, porém o condutor não havia colocado o cartão, cujo prazo de tolerância expirou às 15h55. Como é de praxe começou a preencher o Aviso de Tolerância (neste caso o condutor deve pagar tarifa de R$ 20,00 em até 72 horas para que não seja convertida em infração de trânsito). Ocorre que o condutor ao chegar no local, muito exaltado, não quis ouvir a explicação do agente e o agrediu verbalmente (com palavras de baixo calão) e depois fisicamente.

No mesmo instante, uma viatura da Guarda Civil Municipal, que estava fazendo ronda pelo local foi verificar o que estava ocorrendo. O condutor do veículo continuava bastante exaltando e também recebeu a GCM com palavras de baixo calão e agressão física. Desta forma precisou ser contido e orientado a seguir ao 1º DP da cidade junto com o agente do Rotativo para registro do Boletim de Ocorrência. ” 

 

Leia também: