Vereador que quer o fim do Uber em São Bernardo foi reeleito com 2.887 votos

O Tribunal de Justiça de São Paulo julgou inconstitucional a lei municipal que proibia o uso de carros particulares para transporte remunerado na capital paulista, ou seja, que proibia o uso de carros particulares cadastrados em aplicativos como o Uber.

A norma previa multa e apreensão de veículos daqueles que a descumprissem, mas não vinha sendo aplicada pela Executivo municipal, já que decreto do prefeito Fernando Haddad autorizou, em maio, o transporte individual naquela cidade por meio de aplicativos.

“Fato é que essa nova tecnologia concretizada em aplicativos – seja para o transporte privado individual, seja para os taxistas – tem aprimorado a forma de mobilidade urbana, principalmente daqueles que se utilizam do transporte individual com maior frequência”, destacou o relator da ação, desembargador Francisco Casconi.

Em São Bernardo do Campo, o projeto de lei 14/2016, do vereador Antonio Carlos da Silva, conhecido como Toninho da Lanchonete (PT), aguarda parecer da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal.

Outras comissões internas já se posicionaram de forma desfavorável ao texto que quer proibir o “uso de carros particulares cadastrados em aplicativos para o transporte remunerado individual de passageiros no Município de São Bernardo do Campo, e dá outras providências”.

Toninho da Lanchonete foi reeleito no último domingo (02) para um novo mandato após receber 2.887 votos.

Com informações da EBC

Leia também: