PF realiza operação envolvendo Museu do Trabalhador; secretários de SBC são presos

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira, dia 13 de dezembro, a operação Hefesta para desarticular esquema de desvio de recursos públicos federais do Ministério da Cultura para a construção do Museu do Trabalho e do Trabalhador em São Bernardo do Campo.

Foram cumpridos 32 mandados expedidos pela 3ª Vara Federal de SBC, sendo 8 mandados de prisão temporária, 8 mandados de condução coercitiva e 16 mandados de busca e apreensão também em outras cinco cidades.

O inquérito foi instaurado a partir de informações divulgadas pela imprensa em novembro de 2014, indicando atraso e possíveis fraudes na construção do museu.

A investigação aponta desvios de recursos provenientes de projetos da Lei Rouanet e convênios do Ministério da Cultura com a prefeitura.

Há indícios de superfaturamento de projetos, subcontratação ilegal de empresas sem licitação e duplicidade de objetos nos projetos de captação.

A obra iniciou-se em 2012 e estava prevista para durar 9 meses, mas até hoje não foi concluída.

Hefesta remete ao deus grego Hefesto, do trabalho e da metalurgia.

Secretários

Alfredo Buso, secretário de Obras, Osvaldo de Oliveira Neto, secretário de Cultura, e Sérgio Buster, secretário adjunto de Obras, tiveram as prisões temporárias decretadas pela 3ª Vara Federal de São Bernardo.

Vereador do PT

O vereador José Cloves (PT) foi levado para depor coercitivamente na sede da Polícia Federal em São Paulo. O petista era o secretário de Obras quando o contrato para construção do museu foi assinado. Por volta das 12h, ele foi liberado.

Leia também:
Ministério Público dá detalhes sobre desvio de verbas em obras do Museu do Trabalho
Operação da PF prende secretários de Obras e Cultura de São Bernardo do Campo

Leia também: