Marinho critica prisão de secretários e polemiza: ‘Se tem vítima aqui é a gestão pública’

O prefeito de São Bernardo do Campo, Luiz Marinho, criticou a operação deflagrada pela Polícia Federal que resultou na prisão dos secretários Alfredo Buso (Obras) e Osvaldo de Oliveira Neto (Cultura).

A operação Hefesta investiga irregularidades e desvios de verbas na construção do Museu do Trabalho e do Trabalhador.

Após participar da entrega da revitalização do velório do Cemitério Municipal da Vila Carminha, o prefeito falou com os repórteres presentes no local.

“Quando tivemos conhecimento de que tinha um laranja na empresa vencedora da concorrência, nós tomamos todas as providências… Nós estamos interessados e se tem alguém vítima aqui é a gestão pública. O Ministério Público, a Polícia Federal e o Judiciário, muitas vezes avalia de forma totalmente enviesada”, criticou o chefe do Executivo são-bernardense.

Para Marinho, o pedido de prisão dos secretários municipais não se justifica. “Todos os documentos apreendidos eles já tinham. Nunca houve nenhuma obstrução ou rejeição, muito pelo contrário. Nós temos interesse na apuração. Até porque nós somos vítimas das inverdades em relação ao museu”.

Leia também: