Cotidiano

Aulas adiadas e toque de recolher dividem opiniões em São Bernardo

A decisão de adiar para 15 de março a volta às aulas presenciais na rede pública e suspender as atividades nos colégios particulares dividiu opiniões de pais e alunos em São Bernardo do Campo.

Segundo a Prefeitura, a medida publicada em decreto hoje (23) é uma tentativa de frear a transmissão do coronavírus diante de um possível colapso na rede de saúde. A ocupação dos leitos ultrapassou os 80% nos últimos dias.

Em contato com a reportagem, muitos pais criticaram a decisão do prefeito Orlando Morando alegando que o prejuízo educacional será ainda maior. Alguns frisaram que o transporte público e o comércio de rua, por exemplo, são locais sem controle e com maior aglomeração, facilitando a transmissão da doença.

Do outro lado da discussão, quem defende o fechamento das escolas vai mais longe e pede que a reabertura só ocorra depois de ampla vacinação de professores e alunos. Enquanto a vacina não chegar para todos, as aulas seguiriam no formato virtual.


BUZINAÇO NO PAÇO

No início da noite desta terça-feira (23), um buzinaço organizado pelo Movimento Escolas Abertas de São Bernardo reivindicou que o município siga o Plano São Paulo que prevê a abertura das escolas mesmo em cidades que esteja na fase vermelha, a mais rigorosa.


TOQUE DE RECOLHER

O decreto assinado por Morando também prevê um toque de recolher a partir do próximo sábado (27), limitando a circulação das pessoas entre 22h e 05h, e impedindo a abertura de estabelecimentos não-essenciais (leia aqui).

Ao menos dois proprietários de bares na cidade, que pediram não serem identificados, alegaram que a proibição até mesmo do delivery coloca em risco o futuro de seus estabelecimentos. Segundo os empresários, o prefeito precipitou-se ao tomar a decisão sem consultar os comerciantes.


Compartilhe!